Quando se tem o sonho de conquistar uma carreira pública, se dedicar com afinco é fundamental, afinal, as escolhas tomadas nos momentos de estudo, que antecedem o grande dia da prova, são cruciais para o sucesso, ou não, da sua preparação. 

Não é nada agradável a sensação de saber que poderia ter ido melhor em uma ou outra questão, se tivesse estudado mais determinada matéria ou dado a devida atenção a um assunto que você concluiu que não precisava estudar, porque não caiu nos últimos concursos.

A verdade é que se capacitar para prestar um concurso público implica muito empenho e dedicação ao edital como um tudo. Quem estuda com determinação e deseja passar de fato não aceita correr riscos ou pegar atalhos, afinal, ver tempos incontáveis de esforço indo por água abaixo por uma escolha embasada em suposições e preguiça de cobrir todo o edital é o pior fracasso ao qual um candidato pode ser submetido. Como superar o famoso “e se” eu tivesse estudado esse item que deixei para trás? 

Quer saber mais sobre essa experiência e como superá-la? Então, assista ao vídeo no qual o  fundador do QualConcurso, Victor Maia, relata a experiência equivocada de deixar de lado itens  julgados menos relevantes do edital do concurso da Câmara dos Deputados. 

 

Abreviar os estudos significa abreviar as chances de passar e você não quer isso, quer?

www.qualconcurso.com.br