Da mesma forma que, em uma sala de aula, você consegue identificar os diversos tipos de alunos, é possível identificar o tipo de concurseiro.

 

Mas, afinal, qual o seu perfil como concurseiro e o que isso diz ao seu respeito? Será que é preciso mudar seu estilo para obter melhores resultados?

 

Os tipos de concurseiros: descubra o seu

 

Um estudo realizado pela IOB identificou alguns tipos de concurseiros e quais suas principais características.

 

Confira!

 

·         O Apavorado

 

Esse tipo de concurseiro pode ser reconhecido naquele candidato que, mesmo tendo nível superior de educação, acreditam que precisam prestar um concurso que exige nível médio.

 

Isso acontece porque creem que tenham melhores chances de serem aprovados, já que, mesmo após diversas tentativas, não conseguiram ser aprovados em um concurso de nível superior.

 

Nessa categoria, pode-se acrescentar o candidato que, sob desespero, se inscreve em todos os tipos de concurso, mesmo que não tenham nada a ver com o que ele deseja.

 

Pensam que, ao se inscreverem para o maior número de concursos possível, vão conseguir alguma coisa, independentemente de seu desejo ou vocação.

 

Foco é tudo, concurseiro apavorado. Há várias maneiras de saber se um cargo é o ideal para você. Atirar para todos os lados pode lhe causar mais frustrações que sucesso.

 

·         O deboísta

Pode-se afirmar que esse tipo é o extremo contrário do tipo anterior. O candidato deboísta, além de se inscrever para poucos concursos, não se preocupa em se preparar para a prova, pois acredita que “no fim, tudo dá certo”.

 

O deboísta deixa para estudar em cima da hora, sem qualquer tipo de organização. Preferem até recorrer a dicas sobre “como estudar para um concurso em 1 semana”, ou algo parecido, do que planejar uma rotina de estudos.

 

Sob uma ótica mais negativa, o deboísta pode também ser aquele tipo de candidato que não quer prestar um concurso e o faz por vontade de terceiros, geralmente dos pais. Ele, na verdade, finge que estuda e não se preocupa com o resultado, pois simplesmente não se importa.

 

É importante reconhecer o valor da oportunidade que você tem em mãos, deboísta. Principalmente se você acredita que o concurso não é o que você quer para sua vida profissional, pense que você está tirando a chance de quem não só quer, como está preparado e precisa dessa vaga.

 

Seja honesto com você mesmo e siga o seu próprio caminho. Isso faz parte da vida adulta.

 

·         O iludido

Esse tipo de concurseiro coloca uma carga enorme no concurso que irá prestar, pois ele tem certeza que, se passar, todos os seus problemas serão resolvidos e ele terá uma vida mansa e pacata.

 

Na sua cabeça, o iludido pensa que não terá que trabalhar pesado ou se empenhar em seu cargo, pois ele terá certa imunidade, além da vida garantida. Seu pensamento é algo como “trabalhar pouco e ganhar muito”.

 

O grande problema do iludido é que, após algum tempo, ele perceberá que dinheiro não é tudo. A satisfação e realização profissionais são pilares da vida de um ser humano e, viver uma vida no automatismo, não é viver: é apenas existir.

 

O iludido precisa compreender que o serviço público não é sinônimo de boa vida. Muitas pessoas dependerão de seu trabalho para poderem ter acesso aos mais variados tipos de serviço. Se a sua intenção é ficar no meio atrapalhando, é melhor seguir por outro caminho.

 

·         O que só pensa em dinheiro

Esse tipo de concurseiro escolhe os cargos de acordo com a remuneração e, não, aptidão.

 

O grande problema desse tipo de concurseiro é que ele nunca está satisfeito com o que tem. Está sempre procurando concursos para cargos que ofereçam maior remuneração.

 

O concurseiro que só pensa em dinheiro nunca está em paz. Nunca tem tempo para aproveitar as atribuições de seu cargo e construir uma carreira. Ele está sempre pulando de galho em galho.

 

·         O concurseiro que quer mudar o mundo

Esse tipo de concurseiro quer prestar um concurso porque acredita que seu trabalho fará a diferença e ele conseguirá acabar com as injustiças do país. É obstinado, estuda e se prepara muito para prestar o concurso.

 

Quando assume o cargo, percebe que, embora suas intenções sejam nobres, a burocracia pode atrapalhar – ou atrasar – seus planos de melhorar o sistema, o que pode desmotivá-lo.

 

Esse concurseiro precisa entender que, o simples fato de desempenhar sua função com competência e responsabilidade, já um serviço enorme à sociedade em que vive.

 

 

 

E aí? Qual o seu tipo de concurseiro? Conte para gente nos comentários!